Uma declaração para Sunset Boulevard

Adoro (re)ver clássicos em tela grande. Acho que a presença do público [ouvir suas risadas, seus gemidos e pequenos sons e perceber suas reações] e a magia de estar dentro de um cinema mudam muito a perspectiva que nós temos a respeito dos filmes, em geral. Por causa disso, hoje revi pela 353463574756876 vez Crepúsculo dos deuses no Teatro Nelson Rodrigues. Ele é parte da mostra História da Filosofia em mais 40 filmes. Devo dizer que Norma Desmond, minha personagem favorita em TODO o cinema [coisas que só Billy Wilder faz por você], nunca me pareceu tão alucinada, tão digna de pena e tão fascinante como desta vez. E é ainda mais irônico quando o personagem de William Holden [lindo como em nenhum outro filme] diz que a vida acabou tendo piedade de Norma Desmond e as câmeras se voltam para ela. Mas, o que ele não contava [nem nós] é que no final, cruelmente, a câmera embaçaria, o filme terminaria e ela não teria o seu tão sonhado close-up. A única personagem que não consegue o que quer [Joe Gillis tem sua piscina e Max “dirige” a cena do auge da loucura de Norma]. E pela 353463574756876 vez, eu me apaixonei pelo filme. Como cada uma das outras vezes.

“They took the idols and smashed them, the Fairbankses, the Gilberts, the Valentinos! And who’ve we got now? Some nobodies!”

Escrito por Lívia Lima. 

Anúncios

Um comentário sobre “Uma declaração para Sunset Boulevard

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s