A Hora do Espanto (Tom Holland, 1985)

Como todo terror-pipoca, mesmo entre os melhores, o final é a parte menos interessante de Fright night: mais do mesmo. Mas não há muito do que reclamar no final das contas. São muitos os bons momentos, alguns surpreendentemente bem filmados e fotografados. Desde o começo, quando o jovem herói bisbilhota o vizinho da frente com seu binóculo, percebe-se que o filme de Tom Holland está a alguns degraus acima dos demais de sua categoria.

A expectativa se confirma em pelo menos dois momentos – quando um dos personagens é perseguido pelo vampiro de Chris Sarandon em um corredor escuro e, logo depois, quando o mesmo vampiro, na sua forma humana, seduz a mocinha na discoteca, naquele incrível clima oitentista que a gente daria tudo para reviver. Estão entre aquelas seqüências que, não importa quando, irão impressionar espectadores que gostam de cinema.

No geral é um filme bem encaminhado. Especialmente em relação aos personagens. Todos são, sem exceção, engraçados ou carismáticos, incluindo aí os dois vilões – o vampiro e seu ajudante (numa relação meio homossexual, diga-se). Como não colocar Peter Vincent, o ator decadente e medroso, entre os personagens mais divertidos do gênero? O protagonista também, típico jovem americano, na saga para salvar a própria pele por ser curioso demais e que se torna um herói nato – no fundo, tudo o que acontece é um desafio para sua entrada na vida adulta, por isso é impossível não torcer por ele.

Temos ainda a namorada virginal e o amigo bobo, daquele tipo que todo mundo teve em algum momento da vida. Tecnicamente, os efeitos especiais e a maquiagem são muito bons. Estão no mesmo nível de Um lobisomem americano em Londres, de John Landis – este último, porém, é ainda melhor. A trilha sonora, claro, não decepciona. Fright Night, enfim, é um daqueles filmes para se ver com os amigos. Tem todos os ingredientes do sucesso: divertido, engraçado, sexy, descompromissado. Ou seja, um hit merecido.

Anúncios

2 comentários sobre “A Hora do Espanto (Tom Holland, 1985)

  1. Acho esse filme bem tosco e divertido. Será que o remake consegue preservar essas características? Pelo trailer, o Colin Farrell parece estar mais canastrão que o Chris Sarandon.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s