A Bela do Bas-Fond (Nicholas Ray, 1958)

A Bela do Bas-Fond [Party girl] é uma das obras-primas da carreira de Nicholas Ray. Estranhamente esquecido ou esquecido por ser estranho? Seria um melodrama? Um filme de gângster? Talvez um noir? Um thriller musical? Pouco importa. Vale mais ressaltar que dessa miscelânea salta aos olhos a coerência, a solidez de uma obra que poderia previsivelmente fracassar nas mãos de outro diretor ou poderia ser grande, ainda que falha, nas mãos de outros mais talentosos. Pois Nicholas Ray alcançou uma forma precisa, convincente, enfim, conseguiu domar um material que, olhando para trás, parece indomável.

E que dupla de protagonistas inesperadamente excepcional! Cyd Charisse, a mulher das pernas perfeitas, e Robert Taylor, com uma expressividade pouco vista no cinema. Ele interpreta um advogado brilhante que trabalha para a máfia. Tem um problema na perna – é manco – de modo que a única forma de conseguir respeito da sociedade é ser um dos melhores de sua área, ainda que isso contrarie seus princípios. A mulher, ao contrário, como várias outras de sua época, consegue subir na vida usando exatamente aquilo que mais falta ao outro: suas pernas. Este é o mundo tal como ele é. E creio que poucos diretores entenderam tão bem o mundo como Nick Ray.

Lee J. Cobb vive um gângster com toda aquela sua peculiar capacidade em ser grosseiro, rústico, com os nervos à flor da pele. Seu personagem é um escroque, um assassino que convive na alta e podre sociedade. Um animal vestido com os ternos mais caros. Grande atuação. Nicholas Ray, além de um mestre no campo visual, verdadeiro artista das imagens, sabia dirigir bem seus atores. Mas todos nós conhecemos as suas maiores qualidades. Sem delonga, basta lembrar o que dizem: o cinema é Nicholas Ray.

Anúncios

4 comentários sobre “A Bela do Bas-Fond (Nicholas Ray, 1958)

  1. Tava gostando muito do filme, mas achei o final mó chutado. O cara derrubou o ácido propositadamente? caiu sem querer?… não to implicando não, mas juro que fiquei com essa dúvida. A tensão naquela cena tava boa, mas tudo aconteceu meio rápido, meio aleatoriamente que deu uma broxada.

    1. É, concordo com você, seria muito melhor se Robert Taylor acertasse o frasco com a bengala e o ácido caísse em Lee J. Cobb. Também acho que esse desfecho deveria ser melhor trabalhado (com certeza, caiu “sem querer”, o que foi bem forçado). Mas isso só chega a diminuir o filme um pouquinho: continua fodaço.

  2. Gostei de ver um espaço para esse filme. Eu vi A Bela do Bas Fond pela primeira vez na sessão coruja da Globo(Bons Tempos do Paulo Perdigão). Eu acho que esse foi o melhor desempenho do Robert Taylor, embora ele tenha declarado que achava A Dama das Camélias seu melhor filme. Eu tenho esse filme gravado e já vi umas 20 vezes e acho um dos melhores filmes do Nicholas Ray. Só vi a Cyd Charrise mais bonita e gostosa em “A Roda da Fortuna” e “Cantando na Chuva”, absolutamente sensacional!!!!!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s